Impedida de ser ajudada por porteiros, cadeirante vence na justiça contra o condomínio

Ana Tereza Campomizzi ganhou na justiça o direito de ajuda dos porteiros do prédio em que mora.

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) concedeu o direito à cadeirante Ana Tereza Baêta Campomizzi, 59 anos, de ser ajudada pelos porteiros do prédio em que mora, no bairro Granbery, em Juiz de Fora. 
Em entrevista a Rádio Globo de Juiz de Fora, para o Redação Globo desta sexta-feira, 13, Ana contou com detalhes sobre o ocorrido e segundo a Funcionário Pública ela precisou recorrer à Justiça porque os moradores do prédio decidiram em assembleia proibir os porteiros de ajuda-la
Como o prédio tem dificuldades no acesso, os porteiros costumavam ajudar Ana Tereza a chegar ao elevador, até que foram proibidos. 
"Sempre contei com ajuda de pessoas no dia a dia para superar as dificuldades de locomoção pela cidade, mas nunca tive problemas no prédio até 2011, depois da assembleia do condomínio em que fui vetada a ter ajuda dos porteiros. 
Meus porteiros sempre me ajudavam quando eu precisava. Eu não consigo passar sozinha por uma rampa íngreme na saída da garagem e acessar os elevadores. Então resolvi acionar meu direito de ir e vir", desabafou Ana Tereza.
Desde então, ela luta na Justiça e em março deste ano o STJ determinou que o prédio permita que os porteiros ajudem a moradora e ainda determinou obras de mudança para melhorar a acessibilidade do local. Desta decisão não cabe mais nenhum recurso.